Geral

Altas temperaturas podem oferecer risco à saúde dos pets

  • Luiz Soldi
  • 18/01/2022 08:05
99236076261e69fdd818d40.82705174.jpg

Nestes últimos dias, os termômetros passaram dos 35°C em nossa região, assim como os humanos, os pets também sentem os efeitos do tempo quente.  A  médica veterinária, Grazielle Sartori de Almeida, pós graduada em  clínica e cirurgia de pequenos animais e especializada  em endocrinologia de cães e gatos,  comenta que a procura de tutores por orientações e consultas para os animais tendem a aumentar nesta época do ano, principalmente por quadros de desidratação e hipertermia, que é o aumento da temperatura corporal dos cães.

A médica veterinária diz que os cães e os gatos não transpiram como nós. Ao contrário dos seres humanos, estes animais possuem pouquíssimas glândulas sudoríparas espalhadas pelo corpo. A maior parte delas fica localizada nas almofadinhas das patas. Uma região pequena, que não é suficiente para controlar a temperatura de todo o corpo dos animais no verão.

Quando eles não conseguem encontrar uma forma de resfriar o corpo, acabam aumentando a ventilação pulmonar (ficam ofegantes), porém esse tipo de respiração é menos eficiente do que a transpiração e se o animal continuar exposto ao calor excessivo, ele poderá ficar demasiadamente ofegante, entrar em “agonia respiratória” e sofrer uma hipertermia que pode levá-lo a óbito.

Grazielle explica quais são os  sinais de hipertermia:

Hipersalivação; Respiração ofegante acima do normal; Pele muito quente; Batimento cardíaco acelerado; Cansaço, fraqueza, indisposição.

Atenção: As raças de cães e gatos que apresentam focinhos curtos correm maior risco de sofrer hipertermia.

A veterinária orienta que durante os dias de calor intenso, o tutor deve sempre de adotar os seguintes cuidados com o seu pet:

Mantenha água limpa e fresca sempre à disposição; Mantenha o animal em local com sombra e circulação de ar constante; Nunca deixe o animal sozinho dentro do carro; Não estimule atividades físicas nos horários de maior calor.

Propicie banhos rápidos, jatos leves de água fria para uma refrescada. Piscinas de plástico com pouca água ou até mesmo bacias maiores com água fresca disponíveis já são uma ótima opção para se refrescarem.

Grazielle orienta que o tutor  faça o passeio  com o seu animalzinho antes das dez da manhã e depois das seis da tarde, períodos nos quais o sol não está muito intenso. “Se a temperatura do chão estiver quente para você, também estará quente para o seu companheiro de caminhada”. “Se o tutor notar alguma alteração significativa no pet, o médico veterinários deve ser procurado”,  finaliza a veterinária.

Enquete

Você é a favor ou contra ao fim da obrigatoriedade do uso de máscara?