Economia

BRF aprova oferta de 325 milhões de ações e abre caminho para o controle da Marfrig

  • Capinzal FM
  • 24/01/2022 21:25
195218842061ef43e4de2458.13139424.jpg

De olho em reduzir o endividamento e destravar a expansão financeira, a BRF (BRFS3) conseguiu na noite da segunda-feira (17) o sinal verde de seus acionistas para realizar uma oferta pública de até 325 milhões de ações e ADRs, recibos de papéis negociados nos Estados Unidos.

O preço por ação e o valor total do follow on ainda não estão definidos, mas, considerando a cotação de fechamento do dia 17 (R$ 24,75), a oferta pode ultrapassar os R$ 8 bilhões. Desse montante, R$ 500 milhões vão para o capital social, enquanto o restante será destinado à formação de uma reserva de capital.  

Além disso, a Assembleia Geral da companhia também aprovou um aumento do capital social além do limite estipulado pelo estatuto. As duas aprovações abrem a possibilidade de que a Marfrig (MRFG3), que hoje detém 31,66% da BRF, assuma o controle da empresa.

Por que a BRF quer fazer uma nova — e bilionária — oferta de ações?  

Para responder a essa pergunta, é preciso observar com cuidado as finanças da empresa. Uma consulta ao balanço da dona da Sadia e da Perdigão no terceiro trimestre nos mostra uma pressão considerável no front do endividamento — a dívida líquida da BRF superava os R$ 16 bilhões ao fim de setembro —, o que trava as metas de expansão no médio prazo.  

Sendo assim, a capitalização via oferta de ações aparece como uma alternativa interessante para aliviar o peso dessa âncora e permitir a expansão da companhia. Um objetivo que, ao menos por enquanto, compensa o efeito colateral da diluição da base acionária.

Em dezembro de 2020, a BRF revelou seu plano estratégico até 2030: a ideia é atingir uma receita líquida de mais de R$ 100 bilhões ao fim da década, com o Ebitda mais que triplicando no mesmo período. Para tal, a companhia estima investimentos da ordem de R$ 55 bilhões ao longo desse período.  

Esse projeto vinha com alguns marcos temporais: até 2023, a receita líquida deveria atingir os R$ 65 bilhões; até 2026, o Ebitda deveria dobrar em comparação com o nível de 2020. O problema é que, com a estrutura de capital desfavorável, o cumprimento dessas metas ficou cada vez mais difícil.  

Tanto é que, no começo de dezembro, a BRF atualizou o seu plano e adiou em um ano o cumprimento desses marcos: a receita de R$ 65 bilhões foi jogada para 2024, e o Ebitda dobrado, para 2027. Os objetivos finais para 2030 foram mantidos, mas com um ajuste de rota, digamos — o que causou alguma frustração no mercado.  

Outro ponto crucial diz respeito às métricas de alavancagem. Segundo a empresa, a relação entre a dívida líquida e o Ebitda nos últimos 12 meses tem o patamar de três vezes como "limite prudencial". Só que, ao fim do terceiro trimestre, essa barreira foi rompida: a alavancagem da BRF chegou a 3,06 vezes.


Participe dos GRUPOS DE WHATSAPP da Rádio Capinzal

Receba as notícias atualizadas em tempo real

Acesse - https://chat.whatsapp.com/JTGnEJGICoWG6Q1xCRbjby



Créditos: Portal Seu Dinheiro (Publicado em 17/01/2022)

Enquete

Você é a favor ou contra ao fim da obrigatoriedade do uso de máscara?